Bota Dr Martens Masculina sua história e seu legado… pra quem tem estilo e personalidade.

Bota Dr Martens que comprei em Portugal.

Eu conheci a Dr Martens em 1989, ano da queda do Muro de Berlin. Passei uma temporada na Inglaterra e lá vi algumas pessoas usando…  era uma época meio mágica… meio doida, final dos anos 80. O que as pessoas mais falavam era que o solado da bota aguentava a neve… que ele era muito durável. Nessa época eu usava um coturno marrom da marinha americana.. mas fiquei pirado numa Martens.

É um coturno e tanto…

Por volta de 1998, 10 anos depois, a Elmo ( loja de calçados de BH ) andou vendendo alguns coturnos da Dr Martens originais e por um preço super barato… eu não entendi nada… não sei de onde vieram… e parece que o publico na época nao entendia direito do que se tratava… dai eu e vários amigos arrematamos alguns pares… e eu acabei revendendo os que comprei e não fiquei com nenhum.

 Os anos se passaram e comprei o meu primeiro par usado, nem me lembro de quem… mas era um modelo de lona com a vira de couro. Ele é bem legal, mas quase não uso… depois fui a Portugal  comprei um novo, numa loja bem legal, e ele está aqui comigo até hoje. Ganhei um usadão de um cliente amigo, o Rodrigo fotografo, que hoje mora pela Europa.

Trazer o Dr Martens para o Brasil é uma tarefa complicada, pois temos várias barreiras que deixam o valor da bota muito alto… eu paguei 170 euros na minha… ou seja aqui no Brasil uma Dr Martens vai sair no minimo por uns 900 reais. Será que tem publico?? Não sei, e por isto acabamos por fazer a nossa versão da Dr Martens, totalmente adaptada para o Brasil, inclusive melhorando em vários aspectos. A nossa versão se chama Berlin, é toda forrada em couro e tem a palmilha de montagem em couro. A sola é parecida, mas obvio que não tem a mesma qualidade, mas segura bem a onda. E fizemos agora a Berlin com solado Copacabana…. ai sim ela ficou mais pesada e o solado dura muito e aguenta neve, sol, motor de moto… e o escambal!!!

Esse é o de lona que comprei usado.
Esse eu ganhei do meu amigo Rodrigo, que é um grande fotografo jornalístico, e hoje mora na Europa, fazendo trabalhos pela Alemanha e Portugal.

Ninguém melhor que a propria Dr Martens para contar sua história.
Simplesmente entrei no site deles… fui no link que conta a história e traduzi para vcs. Sem muito blablabla…

As fotos são das minhas botas e eu mesmo que tirei… A fonte do texto esta no site da Dr Martens UK… dá uma conferida lá para vc pirar nos modelos que os caras fazem… Agora confere ai a minha singela e honesta tradução. E observa bem as fotos… boa diversão!!!

“O Dr. Martens é pra quem tem estilo, pra quem tem personalidade, e que compartilham um espírito de grupo – pessoas autênticas que representam algo, que formam opinião. Que se expressam sem medo de ser feliz. Pessoas diferentes. #caminhediferente

O estilo e as simples silhuetas do Dr. Martens permitem que seus usuários adotem as botas e os sapatos como parte de seu próprio estilo individual e muito distinto; em um nível prático, sua famosa durabilidade e conforto os tornam ideais para o mundo implacável de shows e moda de rua; eles representam atitude e poder.

No entanto, nem sempre foi assim: o Dr. Martens era originalmente uma bota de trabalho modesta que até era vendida como sapato de jardinagem. Então, como essa inicialização utilitária se transformou em uma das marcas culturalmente mais relevantes da era moderna? É uma história interessante e única …

Começando em 1901, a família Griggs era conhecida por fazer botas na pequena cidade de Wollaston, Northamptonshire, na região inglesa de Midlands. Eles estavam no coração da indústria de calçados inglesa e por seis décadas os calçados da Griggs ganharam uma sólida reputação como botas de trabalho resistentes e duráveis .

A história então mudou para Munique pós-guerra, em 1945, com o Dr. Klaus Maertens, um soldado de 25 anos de idade. Enquanto convalescendo de um pé quebrado, ele criou uma sola almofadada (ao invés da tradicional sola de couro duro) para ajudar a sua recuperação. Usando a agulha de um sapateiro, Maertens fez um protótipo de sapato e mostrou-o a um velho amigo universitário e engenheiro mecânico, o Dr. Herbert Funk.

Os dois entraram em parceria usando suprimentos militares em desuso para começar a produzir seus sapatos exclusivos. Em 1947 eles começaram a produção formal e dentro de uma década tinha um negócio em expansão, vendendo principalmente para mulheres mais velhas. Em 1959, eles decidiram que era hora de anunciar sua revolucionária invenção de calçados em revistas estrangeiras.

De volta à Inglaterra, a empresa Griggs estava sendo administrada pela terceira geração da família, Bill, junto com os irmãos Ray, Colin e Max. Ao analisar as páginas de uma revista especializada em calçados, o olho de Bill foi pego pelo anúncio da alemã por sua inovadora sola almofadada.

Uma licença exclusiva foi adquirida e algumas mudanças importantes foram feitas, incluindo um salto redesenhado, uma parte superior simples mas mais arredondada, um ponto amarelo distintivo, uma borda única de dois tons e um único padrão. As botas foram marcadas como “Airwair” e vieram completas com um salto preto e amarelo com o nome da marca e o slogan “With Bouncing Soles” (baseado na própria caligrafia de Bill Grigg). Levando o nome desde a data de sua criação, em 1º de abril de 1960, a bota de oito furos do Dr. Martens chegou.

A década de 1960 – a década em que nasceu a bota do Dr. Martens – viu uma onda de mudanças sem precedentes, novas idéias, reviravoltas culturais e eventualmente revolução social. Essa atmosfera radical também testemunhou uma moda extravagante e muitas vezes exótica, um cenário ímpar para o nascimento de uma bota de trabalho tão funcional … mas, em seguida, o Dr. Martens “chutou” contra a norma.
 
Inicialmente usado por carteiros e trabalhadores de fábricas, os primeiros anos de vida do Dr. Martens foram muito mais do que uma bota de trabalho de £ 2, vendendo quantidades sólidas para as classes trabalhadoras da Grã-Bretanha. Então algo incrível começou a acontecer …
 Sem qualquer aviso ou intenção, o Dr. Martens foi repentinamente apanhado pelos primeiros skinheads multiculturais e amantes do ska – que orgulhosamente defenderam o estilo work dos britânicos. Logo depois, Pete Townshend, do The Who, tornou-se o primeiro indivíduo de alto perfil a usá-los como um símbolo de orgulho e atitude rebelde de sua classe trabalhadora. Ao fazer isso, os skinheads de primeira geração e Townshend alteraram o curso da história da marca, transformando essa bota funcional de desgaste de trabalho em um essencial subcultural.
 
A década do glam, do punk, do Two Tone e do início do gótico fez com que a cultura jovem britânica se transformasse em inúmeras tribos distintas. Cada nova tribo sucessiva que adotou a bota subverteu o estilo dos usuários anteriores – ainda que grandes seções do submundo anti-establishment defendessem continuamente o Dr. Martens. No final da década, a bota tornou-se um símbolo feroz de auto-expressão no coração da cultura jovem britânica

Com a Grã-Bretanha atormentada por revoltas contra o governo e ressentimento social, a cultura jovem surgiu das ruas com tribos ainda mais altamente visuais e individuais, como Psychobilly  (a rock music fusion genre that mixes elements of rockabilly and punk rock), grebo e scooter boys.

As vendas de botas de tamanho masculino alertaram a Dra. Martens para uma tendência de rua para as garotas que compram e depois personalizaram (geralmente com flores) a simples bota de 8 buracos. Enquanto isso, músicos norte-americanos em turnê pelo Reino Unido começaram a levar pares de DM de volta à costa oeste, inadvertidamente iniciando a adoção da marca pela subcultura americana.

O grunge virou o mundo da música mainstream de cabeça pra baixo e levou o Dr. Martens para o rolê. De volta à Grã-Bretanha, o Britpop se rebelou contra essa apatia do chamado ‘loser kid’, mas o fez nas mesmas botas, com o modelo 1460.

O surgimento do emo nu-metal, precocemente,  viu ainda mais novos gêneros musicais adotarem a bota Dr Martens. A marca também se tornou sinônimo de cultura festiva.

Pouco depois do quadragésimo aniversário da marca, as vendas caíram tão drasticamente que todas, exceto uma das fábricas do Reino Unido, tiveram que ser fechadas para evitar a falência. Então, em 2003, a revitalização da famosa marca começou com designers de alta costura de todo o mundo reinterpretando e personalizando a clássica bota 1460.

Em 2007, o ressurgimento continuou quando a fábrica original de Cobbs Lane, na fábrica de Northampton, recomeçou a fabricação do Dr. Martens Originals feito à mão.

Na era da aldeia global e das mídias sociais, todos os aspectos da cultura jovem e do estilo subcultural mudaram. No entanto, diversos indivíduos, fãs e subculturas ainda defendem o Dr. Martens, atraídos por seu apelo e autenticidade alternativos únicos em um mundo de homogeneidade.

Em 2010, uma revitalizada Dr. Martens comemorou seu quinquagésimo aniversário: cinco décadas que testemunharam a adoção da marca por diversas tribos, celebridades, músicos e indivíduos de pensamento livre – cada um subvertendo e trazendo as botas e sapatos para suas próprias necessidades pessoais, atitudes e identidade.”

“Sem música, o Dr. Martens continuaria sendo uma bota de trabalho.

A música das tribos que usam o Dr. Martens tornou-se inseparável da própria marca.”

Estamos em 2019 e as botas da Dr Martens continuam mais vivas do que nunca, uma inspiração… um clássico. E com essa história tão bacana nos sentimos melhores para continuarmos nossa batalha por botas de melhor qualidade no Brasil. Temos fabricas excelentes, exportamos couros de altíssima qualidade e temos uma mão de obra criativa e habilidosa… temos que valorizar o Brasil e os nossos sapateiros,  e continuar caminhando…

Achei interessante este vídeo deste “moleque” muito bacana que faz reparos em botas – Role Club – . Neste video ele desmonta uma Dr Martens e coloca um solado novo, é legal para vcs verem como é feita uma Dr Martens original, e depois entenderem um pouco do processo Goodyear, que ele faz manualmente, da mesma forma que as Botas da Paraiso eram construidas no inicio da Black Boots. E olha como é interessante trocar a entre-sola e colocar uma de couro, a bota ganha muito mais resistencia. E é isto que estamos fazendo nas nossas botas já tem um tempo.. a maioria já tem entre-sola de couro. E no caso da Dr Martens original ela é feita num material inferior as nossas… dá pra ver claramente no video. Por isto é sempre bom avaliar e conhecer bem o que tem por dentro de uma bota… as vezes temos mania de valorizar o que vem de fora do Brasil… sem ao menos ter ideia da qualidade do que temos por aqui. Tem muito sapato de qualidade, de marcas famosas gringas que são feitos aqui no Brasil, mas acabam não sendo vendidos aqui dentro por questões de mercado. Eu sou fã do nosso Brasil, das nossas praias, das montanhas, da nossa gente, desse povo bonito… humilde e trabalhador. E só vamos mudar isto aqui dando valor a nossa pátria, ao nosso patrimônio e aos nossos produtos.

Espero que tenham gostado. Se tiverem duvidas ou perguntas… é só mandar … e vou tentar responder.

 

Valeu!!! Abs, Guilherme.

Compartilhe nas redes:
Escrito por
Guilherme Horta
Guilherme Horta. Sócio-diretor da Black Boots Brasil. Dediquei os últimos 25 anos criando, comprando e revendendo botas masculinas. Consegui transformar uma pequena loja de 25m2 em uma marca reconhecida nacionalmente, a Black Boots. Minha bebida preferida é uma boa cerveja IPA. Gosto de jazz, musica eletrônica e bossa-nova. Nasci em 1961, e passo maior parte dos meus dias no Sul de Minas, pintando o "sete". Sou um obsessivo colecionador de antiguidades e objetos vintage. No final da tarde tomo chá de louro, e pelas manhãs uma ducha gelada pra acordar. Me divirto com a vida, quanto mais simples melhor.