Punk. O movimento que mudou o jeito de usar coturnos militares.

Movimento Punk e seus contornos e coturnos.

Em meados dos anos 70, uma nova e excitante tendência arrastou-se das ruas para as nossas salas de estar. Era sujo, intenso, cru e alto. Não filtrado e não afetado por todas as restrições usuais da indústria da música – era Punk – o começo de algo completamente novo.

Como muitos movimentos culturais, as origens do Punk começaram com imagens, sons e expressões. O punk rock foi uma resposta a algo ultrapassado – um antídoto para uma era do rock progressivo, egocêntrica e excessivamente produzida. Embora nunca tenha surgido como um movimento mainstream (conceito que expressa uma tendência ou moda principal e dominante), a pura paixão ao Punk ajudou-o a encontrar uma audiência imediata nos marginalizados e incompreendidos.

SONY DSC

Comecei a perceber a cena do movimento Punk em meados dos anos 80. Era uma época que não existia celular e nem internet, tudo chegava através de amigos que viajavam, ou mesmo por revistas, TV e outros meios de comunicação, mas tudo muito filtrado.

Sempre fui ligado em musica, e eu mesmo fazia a trilha sonora que rolava no meu bar aqui em BH – Drosophyla – , eu pesquisava muito, e comprava discos de vinil todas as semanas. Na noite a musica era um pouco mais leve e comercial, mas eu tinha meus discos em casa, algumas coisas que eu gostava de ouvir dentro do meu quarto, numa viagem pessoal. Não me esqueço de quando ganhei, de um amigo que voltou de Londres, a edição de luxo do PIL – Public Image Ltd -. Tenho até hoje.

Tenho um igual a este, na proxima ida a Campanha vou fotografa-lo, e insiro a foto aqui neste post. Só não posso esquecer!!!

Eu nunca pintei os meus cabelos, nunca fiz uma tatuagem, e nem muito menos usei piercings. Não que eu tenha algo contra, por sinal eu adoro ver pessoas que são tatuadas, malucas, e que usam aquilo que elas gostam. Assim como eu faço… eu sou aquilo que eu sempre quis ser… não me fantasio… sou assim mesmo.

Mas ao mesmo tempo o meu comportamento sempre foi fora da curva, o jeito de levar a minha vida e principalmente a minha empresa. Nunca segui as tendencias de moda, nem o jeito de trabalhar que a maioria está fazendo. Sempre procurei o meu caminho, do meu jeito. E sempre sendo autêntico,mesmo com as minhas imperfeições.

(Photo by Rick Olivier)

“Em um momento em que a maioria das pessoas estava seguindo o exemplo do que todo mundo estava fazendo, porque era simplesmente a coisa menos arriscada a se fazer – a cultura punk dizia “Não” e seguia na direção oposta. Esta é a abordagem exata que você deve seguir com o seu negócio também se quiser ser uma daquelas marcas desafiadoras.”

Nossa Berlin Boot DM

A primeira bota da Black Boots foi um coturno preto militar. Não preciso falar mais nada. Poucas lojas vendiam coturnos nos anos 90. Levei o melhor tatuador, talvez do Brasil, nosso amigo Marcão, pra tatuar na vitrine da Black Boots em 1998, quando alguns tinham coragem de usar uma tatuagem. O nosso primeiro vendedor foi o Blainner, um cara bacana e que foi essencial na formação da Black Boots. Quantos coturnos vendemos juntos… muitos…  milhares de coturnos goodyear welt, que hoje são tão referenciados pela turma que gosta de uma boa bota work.

Nunca pensei em rotulos para a Black Boots, nunca entendi exatamente a nossa essencia, ou mesmo qual é a nossa filosofia. Temos alguns alicerces, mas não consigo definir!!! Só sei que começamos com muito pouca grana, e que “$” nunca foi o objetivo principal da empresa, sempre valorizei a minha equipe, os meus fornecedores, e os nossos clientes se tornam nossos amigos. Somos autênticos, e principalmente de confiança.

Berlin, 1987.

Agora vamos aos Punks de verdade.

Achei um texto bem legal, de um cara interessante Stewart Hodgson

Marketing Director. Brand master. Audiophile

E ele nos dá uma aula sobre o movimento Punk, e como vc relacionar isto com a sua vida, e sua empresa nos dias de hoje. Fiz uma tradução de alguns trechos. Dá uma conferida:

“O Punk começou a vida como um movimento artístico. Foi uma expressão cultural de angústia, emoção e volume. As pessoas estavam cansadas dos problemas do dia serem “coloridos”, como se não existissem. Eles se sentiam cansados ​​do comercialismo no mundo, e queriam trazer sua sociedade de volta à realidade da vida humana real e crua através da moda, penteados e música.”

“Na década de 1990, o punk tornou-se uma espécie de commodity, com o My Chemical Romance, o Green Day e outras marcas do Punk Goes Pop se tornando nomes conhecidos. Embora muitas vezes haja discussões sobre o que constitui o punk rock real, o consenso é que, se algo vai contra o status quo e representa algo real – então é Punk.”

“Estranhamente, a história do Punk como a conhecemos permanece em grande parte não escrita. Há muitos livros e autobiografias que tentam conceituar o significado do Punk em algo limpo e fácil de entender. No entanto, a própria natureza desse movimento torna impossível refiná-lo. Há algo distintamente confuso sobre a cultura Punk.”

“O que sabemos é que o gênero do punk rock começou em algum lugar dos Estados Unidos, enraizado na subcultura “garage rock”. A ideia era que as pessoas pudessem fazer barulho independentemente de sua habilidade técnica, e as pessoas ainda ouviriam. Depois que bandas de punk rock começaram a surgir em Nova York – como The New York Dolls e The Ramones – o punk mudou-se para Londres e transformou as ruas com a ajuda de ícones como Vivienne Westwood.”

“No fundo, as origens do punk começaram com uma paixão para conseguir algo inegavelmente real. Punk respondeu ao realismo corajoso das políticas e culturas socioeconômicas do dia. Ele agarrou a sociedade pela cabeça e agitou-a em tomar conhecimento com cores brilhantes, comentários crus e penteados insanos.”

Martens

“Os pioneiros do Punk – mesmo que não quisessem – mudaram o mundo como o conhecemos. Eles não apenas introduziram uma nova subcultura e cena musical, mas também tiveram impacto na moda, política e arte performática. Enquanto todos parecem ter sua própria definição do que o Punk significa, a versatilidade do movimento também significa que o Punk pode ser encontrado em muitos lugares diferentes, em todo o mundo. Poucas revoluções já tiveram a permeação do punk rock.”

Como mencionado acima, há mais na história do punk do que da música. O movimento punk dos anos 70 lançou uma evolução na moda de rua, penteados, maquiagem, mídia e política. Em toda parte a cultura punk esteve presente, deixou sua marca.”

“Como qualquer outro tipo de moda alternativa, a roupa punk começou como uma reação. O estilo punk enfrentou o capitalismo, a conformidade e o “establishment” – o que quer que isso significasse. Esteticamente, o cabelo e a roupa punk se rebelaram contra o movimento hippie relaxado e o brilho cintilante da discoteca. Enquanto a América demorou um pouco mais para lançar as tendências de cabelos longos e roupas de algodão, a Inglaterra encontrou seu próprio significado punk rápido, em Doc Martens, jeans apertados e cores escuras.”

“Pelo menos do ponto de vista da moda punk, as origens do movimento geralmente remontam à King’s Road, onde Vivienne Westwood – professora de escola que virou estilista, abriu sua boutique “Sex” com o namorado Malcolm McLaren. Vivienne Westwood punk se tornou a estética da época, com camisetas rasgadas, imagens eróticas e roupas provocantes e chocantes.”

Coturno Black Boots 1997

“Desde então, o significado da roupa punk mudou um pouco. Muitos dos entusiastas da moda mais jovens de hoje ainda pensam que um medidor de ouvido da Hot Topic os classifica como punk. Enquanto Vivienne Westwood pode ter fabricado os primeiros ícones da moda punk, o punk não é um conceito comercial. Não é algo que você pode comprar em uma loja. Penteados punks, do moicano aos picos de cores vivas dos anos 70, não eram algo que você pudesse escolher em um catálogo de cabelos.”

“Mesmo a maquiagem punk, com suas cores brilhantes, linhas escuras e tons perigosos, era algo único para todos que a usavam. Em certo sentido, o punk era e é um camaleão que muda para atender às necessidades de qualquer um que o abraça. Não há uma definição única, mas temos ideias de imagens que são totalmente punks.”

“Não importa o que você acha que sabe sobre a história do punk, sempre haverá fotos de homens perfurados, barbudos, com camisas rasgadas e doc martens que são classificados como punk. Enquanto a moda punk pode ser limpa de algumas de suas mensagens políticas no momento em que atinge os estágios da semana de moda de Nova York, a moda punk dos anos 70 sempre foi de natureza política. Se voce mesmo faz a sua roupa, ou a customiza, e ela traz consigo algum questionamento com relação aos costumes, ao status quo…   então parabéns, você é punk.”

Coturno Básico Black Boots 1996

“A política é uma parte importante da cultura punk – embora muitas vezes elas sejam negligenciadas por pessoas que tentam reproduzir o visual. Durante o surgimento do punk dos anos 70, o Reino Unido estava em um momento de conflito aberto e muito confuso. Líderes sindicais grevistas estavam sendo enviados para a prisão, e adolescentes estavam iniciando guerras de rua uns contra os outros – às vezes matando amigos no processo. Houve uma ascensão esmagadora contra a polícia, e as mulheres ainda lutavam por direitos iguais, enquanto a classe trabalhadora lutava para ter suas vozes ouvidas.”

“Quando se trata de punk e política, é fácil esquecer a raiva e a dor que causaram o movimento punk a ganhar vida em primeiro lugar. Embora a moda punk e a maquiagem punk possam ser uma maneira de as pessoas se destacarem hoje, era uma necessidade para os grupos que achavam que não poderiam ser ouvidos sem fazer algo drástico. Esses punks originais abraçaram o extremo em suas próprias marcas pessoais, porque eles estavam em pé para algo, representando algo cru e real.”

“Para aqueles que nunca realmente abraçaram o movimento, o punk dos anos 70 era nada mais do que um adolescente irritado e frustrado. Enquanto isso faz parte da identidade desse movimento, um olhar mais atento aos principais atores do punk ao longo dos anos revela uma coleção de minorias étnicas, radicais políticos e cidadãos negligenciados – os oprimidos e excluídos da sociedade.”

Black Boots Original

“Desde a sua criação, o punk e a política andam de mãos dadas. O gênero se posicionou com uma rejeição do idealismo político desde o primeiro dia – se foi através dos Sex Pistols assumindo o Jubileu de Prata da Rainha Elizabeth II, ou o Dead Kennedy declarando que o governador era um porco fascista com seu primeiro single.”

“À medida que os ícones punks e desordenados do dia começaram a envelhecer, e o punk evoluiu ao longo dos anos, ele se dividiu em diferentes sub-gêneros com diferentes ideologias. Os punks hardcore permaneceram em um canto, lutando contra as injustiças com raiva e violência, enquanto outros punks menos agressivos abraçaram o gênero pop punk para atingir um público mais amplo.”

“Para os entusiastas do punk do dia, a música punk não era apenas um som – era uma religião.”

“Punk rock foi algo criado por uma seleção de jovens com pouca habilidade ou instrução. Eles não tinham necessariamente empresários para guiá-los ou cotas para preencher – apenas uma paixão e uma necessidade de criar algo novo. A música punk foi e ainda é uma reação natural e juvenil contra as gerações mais velhas que os jovens consideravam antiquadas ou opressivas.”

“Nos anos 60, a música tinha caído em um foco em super-grupos como The Rolling Stones e The Beatles, tornando mais difícil para outros grupos menores terem suas próprias vozes musicais ouvidas. No entanto, as altas taxas de desemprego dos anos 70 e o mundo sociopolítico da época fizeram com que muitos adolescentes tivessem muito a dizer e ainda mais tempo livre.”

“Os anos 90 se tornaram a era Punk Goes Pop, com o surgimento de bandas como Green Day e All Time Low, e empresas como a Vans Warped Tour começaram a solidificar os punks com a cultura mainstream. Embora esse aumento nas novas marcas de punk tenha ajudado a tornar o conceito de cultura punk mais uma plataforma, também tornou o conceito mais difícil de ser levado a sério, já que todos com o penteado certo começaram a se classificar como punk.”

“Outros grupos francos como Rage Against the Machine começaram a contrariar esta tendência um pouco, mas tiveram que trabalhar duro para continuar espalhando suas idéias anti-consumistas e progressistas. Ainda assim, há algo a ser tirado da ascensão da tendência punk. É um sinal de que, entre outras coisas, novos grupos começaram a aprender com a natureza e as origens do punk. As pessoas estão adotando esse movimento de maneiras novas e empolgantes, e isso está transformando a maneira como vemos a cultura punk hoje.”

“A influência do punk vai além de qualquer orientação pré-definida. Em vez disso, ele representa uma gama de ideologias e conceitos culturais. Enquanto algumas pessoas claramente levam o punk para o lado errado e o usam como uma desculpa para sua raiva e ódio, outros abraçam a esperança e a paixão no punk para direcioná-los para seus objetivos.”

“A partir do surgimento primordial de uma nova cena musical, o punk surgiu como uma veia que percorre todas as coisas do mundo moderno, da política à arte e à cultura. Ela afeta pessoas em todo o mundo, mudando a maneira como pensamos e a maneira como nos sentimos.”

“A própria palavra “punk” passou a significar algo associado à rebelião e subversão em suas muitas formas diferentes. Nesse ponto, parece que nunca encontraremos outro gênero ou ethos muscular com a mesma natureza penetrante do punk.”

Punk é muito mais que um estilo de se vestir, mas um jeito de viver. E acredito muito na influencia deste movimento para uma mudança geral no status quo … dos anos 70 pra cá já temos quase 50 anos. O mundo precisa mudar!!! E somos nós que precisamos mudar, com atitudes que valorizem o feito a mão, o original, autêntico, feito em casa, o minimalismo

Se voce gostou deste texto, faça ai seus comentários, precisamos movimentar e trocar mais ideias…assim como fazemos dentro da nossa loja fisica, e aqui no Blog é este canal aberto pra gente pirar o cabeção e falar sobre aquilo que acreditamos. Bota a boca no Trombone.

Valeu!!! Guilherme.

Compartilhe nas redes: