Se minha bota falasse… por Talisson Souza

Bom, comprei esta desert oliva a algum tempo, creio que em meados de 2017.E minha história com a marca já começou bacana, na época eu havia comprado uma na cor taupe, pois era do modelo antigo sem a palmilha de montagem em couro e estava mais barata e como à época eu estava sem dinheiro (certas coisas nunca mudam kkk) decidi por ela.

Eu não conhecia a marca pessoalmente, sou de Poços de Caldas MG e por aqui nunca tinha visto ninguém falar sobre. Na verdade fiquei sabendo pelo vídeo que vocês fizeram sobre a nova desert e achei show, tenho muito apreço por trabalhos manuais e ainda mais feitos no Brasil.

Eu sou engenheiro e amo projetos, mas sou péssimo em trabalhos manuais. Divergências à parte, retornarei a compra. Depois de adquirir começou a demorar muito para postar nos correios, na hora pensei, “ixe maria, tomei calote”, pensamento besta, qual foi a surpresa quando liguei na loja? Fui atendido por uma moça, muito atenciosa, peço desculpas por não lembrar o nome dela, ela me disse que tinha ocorrido um problema com o envio e que eu poderia escolher qualquer produto da loja em troca, QUALQUER produto, eu fiquei super feliz por essa atitude, o esperado era a devolução do dinheiro, mas não vocês fizeram muito mais do que isso, considerando que na loja há modelos com valor muito mais elevado! Então escolhi a desert modelo novo na cor oliva.Desde então esta bota não saiu mais do meu pé, é super confortável, esse solado crepe é show!

Usava literalmente todos os dias, ela foi começando a manchar e ficar meio diferente, aí procurei no blog de vocês para saber como deixá-la como nova, não foi minha surpresa quando li um artigo, dizendo que bota não é só um calçado é história. E história não é toda perfeitinha, existe um pouco de poeira no caminho. Enfim, usei elas todos os dias, indo para a faculdade de Engenharia Elétrica da PUC aqui em Poços, usava no laboratório de pesquisa, onde desenvolvia meus trabalhos, utilizei em uma palestras que ministrei, quando fui comprar minha aliança de noivado, quando fui aprovado no mestrado e sabem como  sei disso? Simplesmente por que eu não a tirei do pé.

Não a utilizei em grandes evento e grandes realizações, mas isso não a rebaixa, pois para que haja grandes eventos tem de haver grandes dias de trabalho e de luta e nesses dias ela estava comigo.

Hoje, ela é uma senhora, ganhou um remendo (talvez um pouco grotesco), mas a vida de todo mundo um dia recebe um remendo, é assim, a perfeição está aí.


Abaixo algumas fotos.

Compartilhe nas redes:
Escrito por
Guilherme Horta
Guilherme Horta. Sócio-diretor da Black Boots Brasil. Dediquei os últimos 25 anos criando, comprando e revendendo botas masculinas. Consegui transformar uma pequena loja de 25m2 em uma marca reconhecida nacionalmente, a Black Boots. Minha bebida preferida é uma boa cerveja IPA. Gosto de jazz, musica eletrônica e bossa-nova. Nasci em 1961, e passo maior parte dos meus dias no Sul de Minas, pintando o "sete". Sou um obsessivo colecionador de antiguidades e objetos vintage. No final da tarde tomo chá de louro, e pelas manhãs uma ducha gelada pra acordar. Me divirto com a vida, quanto mais simples melhor.